Jardim

 
 

Algumas famílias de plantas de jardins e suas principais espécies

Para ajudar no agrupamento e na identificação de plantas de jardim, optou-se por listar abaixo, nas respectivas famílias, as plantas de jardins mais comuns:

- Aráceas

A família das aráceas é representada pelas espécies de antúrios, inhames, comigo-ninguém-pode, jiboia, costela de adão, filodendros, lírios, copos de leite, etc. Geralmente se adaptam bem a meia sombra.

- Arecáceas

Essa família tem as seguintes espécies mais conhecidas: arecas, palmeiras, butiás, tamareiras, coqueiros, etc.

- Asparagáceas

Trata-se da família as espécies de agaves, aspargos, pata de elefante, dracenas, lanças de São Jorge, espadas de São Jorge, iucas, etc.

- Asteráceas

São espécies representantes dessa família: margaridas, picões, dália, gérberas, girassóis, cravos, etc.

- Bromeláceas

Reúne as espécies de bromélias, abacaxis, etc.

- Cactáceas

A família reúne os cactos, como mandacaru, palmas, flor de maio, etc.

- Heliconiácias

Essa grande família possui as seguintes mais conhecidas espécies: caetês, helocônias, etc.

- Iridácias

Espécies que representam a família das iridáceas são: moreias, frésias, gladíolo, íris, etc.

- Marantáceas

A família é representada pelas espécies como, marantas, caetês, calatéias, etc.

 

- Musáceas

As principais espécies que participam dessa família são as bananeiras ornamentais.

-Orquidáceas

Essa é a família das orquídeas que reúne aproximadamente 24.500 espécies, sendo que 73% são epífitas (plantas que vivem sobre outra, utilizando-a somente de apoio).

- Poáceas

As diversas espécies de gramíneas fazem parte dessa família, tais como: bambus, capins (barba de bode, Napier, etc.), gramas (São Carlos, bermuda, batatais, inglesa, esmeralda e coreana), etc.

No tópico Lazer aborda-se os diferentes tipos de gramados, com seus prós e contras, para se implantar um campinho de futebol na chácara.

- Rosácea

Como o próprio nome diz, as espécies de roseiras, entre outras, incluem-se nessa família.

- Strelitziáceas

As principais espécies dessa família são: bananeira de leque, estrelítzias, etc.

Para quem deseja se aprofundar em plantas para jardins, recomenda-se a leitura do livro Plantas para Jardim no Brasil, redigido pelo especialista em plantas Engenheiro Agrônomo Harri Lorenzi e publicado pelo Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda.

Cercas vivas

 

As cercas vivas são utilizadas principalmente para demarcação de limites da propriedade ou para separação de espaços internos na chácara.

 

A escolha da planta utilizada para essa função precisa ser bem pensada, pois pode se tornar uma dor de cabeça, dependendo do vigor de propagação e crescimento.

A separação ou demarcação de espaços internos na chácara também são chamadas de bordaduras, que não correspondem necessariamente a cercas.

 

As principais funções de uma cerca viva são demarcação territorial, isolamento visual, isolamento acústico, conforto térmico e segurança.

No tópico Infraestrutura da chácara foram listadas algumas plantas utilizadas como cerca viva especificamente como proteção, no sub tópico Plantas e proteção deste site.

Além das cercas vivas para proteção citadas anteriormente, comparamos 21 plantas utilizadas para cerca viva para auxiliar sua decisão (listadas em ordem alfabética de seus nomes populares).

Cerca viva de alamanda
Cerca viva de azaléia

O jardim tem funções bem diferentes do pomar e da horta.

 

Além do aspecto estético e sensação de paz, suas principais utilidades, são conforto térmico e acústico às imediações, privacidade, atração de pássaros, entre outros.

O ideal é que um jardim tenha plantas de todos os tamanhos, tais como grama trepadeiras, arbustos e árvores, de maneira que a visão possa sempre se deparar com diversos elementos paisagísticos situados espacialmente em todas as direções e alturas.

Dependendo da disponibilidade de tempo deve-se optar por plantas que requeiram mais ou menos cuidados ou tratos culturais.

 

Existem plantas que necessitam de podas frequentes, outras são mais dependentes de umidade, ou seja, jardim também demanda trabalho!

Para quem quer se aprofundar em jardins pode-se fazer o download do livro (em 7 volumes) do Curso Municipal de Jardinagem publicado pela Prefeitura Municipal de São Paulo.

Além de abordar tecnicamente diversos aspectos relacionados as plantas de jardins, relata também conteúdo frutícola e de hortaliças. Vale a pena ler!

  • 1º volume: 1. O homem e o meio ambiente; 2. Botânica; 3. Sementeiras;

  • 2º volume: 4. Solo e adubação; 5. Reprodução vegetativa; 6. Árvores;

  • 3º volume: 7. Floríferas; 8. Forrações; 9. Fruticultura;

  • 4º volume: 10. Arbustos e trepadeiras; 11. Gramas e gramados;

  • 5º volume: 12. Orquídeas; 13. Hortas;

  • 6º volume: 14. Evolução dos jardins através dos tempos; 15. Plantas para ambientes internos; e

  • 7º volume: 16. Pragas e doenças em plantas.

Outro livro que pode ser consultado, chama-se Jardim & Jardinagem, publicado pela EMBRAPA. Ele traz informações sobre planejamento e implantação de jardim, adubação, pragas e doenças, entre outras.

Leia no Blog da chácara o artigo Floradas dos Ipês Amarelos.

Flôr de jardim.
Flôr de jardim.
Flôr de jardim.
Flôr de jardim.
Cerva vida de azaléia
 

Jardim de pedra

 

Formado principalmente por cactos e suculentas com ou sem espinho, tem formações interessantes e geralmente necessitam de poucos tratos, dada sua rusticidade.

São boa alternativa para quem tem pouco tempo para cuidar do jardim!

São jardins de pleno sol, cujo terreno deve ter boa drenagem, podendo conter pedriscos na sua superfície.

Existem diversas espécies dessas plantas que podem ser entremeadas com pedras.

 

A retirada manual de ervas daninhas exige cuidado para evitar ferimentos de plantas com espinhos.

Além dos cactos diversos, pode-se utilizar babosas, bálsamo, calanchoes, candelabros, dedinhos de moça, agaves, iucas, bromélias, etc.

Consulte os livros:

Bálsamo no jardim.
Orelha de coelho no jardim.
Samambaia de pedra no jardim.
Suculenta no jardim.
Rosa pedra no jardim.
Kalanchoe no Jardim.