Blog da chácara

O que você precisa saber sobre capivaras, carrapatos e febre maculosa

Atualizado: 7 de Nov de 2018


Capivara
Manual da Chácara - Capivara

A presença de capivaras perto de locais urbanizados representa risco de infestação de carrapatos, que podem estar infectados pela bactéria Rickettsia rickettsii, transmissora da Febre Maculosa.





A dificuldade de se conter a infestação de carrapatos em condomínios, parques e campi universitários tem preocupado a população e profissionais de saúde.


Esse é um grave problema de desequilíbrio ambiental e de saúde pública!


Para quem não se preocupa com uma simples picada de carrapato, veja a gravidade dessa doença nos dados abaixo.


A tabela mostra dados da Febre Maculosa no Brasil, com o número de casos confirmados e de óbitos, no período de 2000 até 2018 (julho).


Casos confirmados e óbitos causados por Febre Maculosa
Manual da Chácara: estatísticas de casos confirmados e óbitos causados por Febre Maculosa

Consulte os dados desagregados:

http://portalms.saude.gov.br/images/pdf/2018/agosto/06/caso-fmb-atualiza----o-site-01.08.2018.pdf

http://portalms.saude.gov.br/images/pdf/2018/agosto/06/obito-fmb-01-08-2018.pdf



O Gráfico abaixo mostra a evolução de óbitos ocasionados por Febre Maculosa na Região Sudeste, entre 2000 e julho de 2018.

Evolução dos óbitos causados por Febre Maculosa na Região Sudeste
Manual da Chácara - Evolução dos óbitos causados por Febre Maculosa na Região Sudeste

A seguir serão descritos os hábitos das capivaras, informações sobre o carrapato, considerações sobre a bactéria causadora da Febre Maculosa e métodos de controle de capivaras e carrapatos.



Capivaras
Manual da Chácara - Capivaras

A capivara

A capivara (Hydrochoerus hydrochaeris) é um grande roedor, podendo pesar até 90 kg e medir 50 cm de altura. É um animal herbívoro, possui hábito semiaquático e tem preferência por regiões quentes com presença de água, embora habite quase toda a América do Sul, exceto a região andina.


Elas se organizam em grupos com a presença de um macho dominante, responsável pelo cruzamento com a maioria das fêmeas.


O bando também é formado de fêmeas dominantes e alguns machos e fêmeas submissos. Os machos submissos são responsáveis por 40% da natalidade.


A reprodução é realizada durante o ano todo, com gestação de 150 dias e nascimento em média de 5 filhotes por fêmea.


O aumento da população é explicado pela falta de predadores naturais, como onças, jacarés, jaguatiricas, cachorro do mato, sucuri, etc.


Desse modo, a capivara possui alta taxa reprodutiva e grande capacidade de colonização, adaptação e dispersão, deslocando-se facilmente pelas bacias hidrográficas do país.


O carrapato

Diversos carrapatos são vetores da bactéria que transmite Febre Maculosa, entre eles os mais importantes para o Brasil são Amblyomma cayennensis e a Amblyomma sculptum. Esse último é chamado de carrapato-estrela.


O Amblyomma cayennensis é encontrado somente na região amazônica (Venezuela e Guianas) e parte do Brasil (Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), enquanto que o carrapato-estrela, Amblyomma sculptum, ocorre norte da Argentina, Bolívia, Paraguai, além dos estados de Pernambuco, Piauí, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.


Seus principais hospedeiros são equinos, capivaras e antas. Podem parasitar diversos mamíferos silvestres e domésticos, como gambás (Didelphys sp), coelhos, cães e até o homem. Existe preocupação desse carrapato migrar para bovinos.


O carrapato-estrela possui ciclo anual e precisa de três hospedeiros para completar seu ciclo de vida.


Na fase larval é conhecido como micuim ou carrapato pólvora. Na próxima fase as ninfas são chamadas de carrapato vermelho, enquanto que na fase adulta é conhecido como carrapato-estrela.


O ciclo inicia-se com a fêmea adulta completamente alimentada (ingurgitada) que se despende do hospedeiro e cai no solo, onde realiza a postura de ovos, morrendo em seguida.


1º hospedeiro (maior ocorrência entre abril e julho)

Dos ovos eclodem as larvas, que após atingirem a maturação, sobem nas pontas das folhas de capim e outras plantas rasteiras até que um hospedeiro passe por ali captando as larvas.


Nesse hospedeiro, se alimentam completamente e caem novamente no solo para o processo de “muda”.


2º hospedeiro (maior ocorrência entre junho e outubro)

Após a “muda” surgem as ninfas que novamente sobem nas plantas para encontrar algum hospedeiro.


Nesse novo hospedeiro, novamente se alimentam e caem no solo para uma segunda “muda” e tornarem-se adultos.


3º hospedeiro (maior ocorrência entre outubro e março)

Esses adultos igualmente procuram hospedeiros no topo de plantas rasteiras, mas também efetuam uma busca ativa indo ao encontro de animais.


Ao encontrar o hospedeiro, machos e fêmeas de carrapatos realizam a cópula, quando a fêmea novamente bem alimentada de sangue (ingurgitada), cai no solo e deposita ovos, iniciando assim um novo ciclo. Os machos vivem mais tempo permanecendo no hospedeiro a espera de novas fêmeas adultas.



Capivaras
Manual da Chácara - Capivaras

A bactéria

A Febre Maculosa, causada por Rickettsia rickettsii, é uma doença infecciosa febril aguda que pode evoluir até a morte. No estado de São Paulo, dentre as zoonoses transmitidas por vetores a febre maculosa é a que mais mata.


Como já vimos essa bactéria é transmitida para seres humanos também pelo carrapato-estrela, cuja infecção acontece quando o carrapato fica aderido ao corpo humano entre 4 a 6 horas.


O carrapato se mantém infectado durante toda a sua vida, além de transmitir a bactéria por muitas gerações. É importante não esmagar os carrapatos, uma vez que bactérias liberadas podem contaminar partes do corpo lesionadas.


O período de incubação no ser humano é de 2 a 14 dias.


Os sintomas aparecem abruptamente podendo ser febre alta, dores de cabeça e musculares, mal-estar generalizado e vómitos. Entre o 2º e 6º dia surgem erupções cutâneas nas regiões do pé e da mão para 50 a 80% dos pacientes.


O diagnóstico durante os primeiros dias da doença é difícil, pois as manifestações podem sugerir, entre outras, leptospirose, dengue, hepatite viral, malária e pneumonia.


O que torna a Febre Maculosa uma doença preocupante é que o sucesso do tratamento está relacionado à precocidade do diagnóstico. Os antimicrobianos recomendados são doxiciclina ou cloranfenicol.



Capivaras
Manual da Chácara - Capivaras

Métodos de controle

Os métodos de controle passam por duas vertentes, diminuição da população de capivaras e de carrapatos.






1. Diminuição da população de capivaras


a. Remoção de animais e isolamento da área

A transferência de animais para outras localidades não é eficiente, pois a população se reestrutura rapidamente no curto prazo.


A remoção somente do macho dominante também permite a rápida reestruturação social com macho submisso tornando-se dominante.


Além disso, animais que já tiveram a doença são imunes e deixam de transmitir a bactéria aos carrapatos, pois adquiriram resistência oriunda de seus anticorpos.


Com a retirada de animais nessas condições, outros animais jovens suscetíveis vão substitui-los no grupo, tornando-se disseminadores da bactéria.


A retirada total com o isolamento da área torna-se uma tarefa desafiadora dada a dificuldade de fechar cursos d’água, brejos e lagos.



b. Esterilização de machos (vasectomia) e fêmeas (ligadura de tubas uterinas)


Esse método exige que a execução seja realizada por uma equipe de técnicos especializados.


O controle da natalidade tem a finalidade de diminuir os indivíduos jovens no grupo, que, mais que os adultos, são responsáveis por amplificar a bactéria da Febre Maculosa.


É necessário capturar os animais em uma área de atração onde se oferece alimentação, chamada ceva. A captura deve ser realizada com a aplicação de anestésico.


A esterilização de machos, dominante e submissos, é procedimento menos invasivo e de recuperação mais rápida. Porém, o macho dominante dificulta a entrada de machos submissos na ceva. Daí, conforme o caso, há necessidade de efetuar a ligadura em fêmeas.



2. Diminuição da população de carrapatos


a. Controle mecânico


É importante saber que 95% dos carrapatos localizam-se no ambiente, nas folhagens rasteiras a procura de hospedeiros. Destes, em média 99% são eliminados naturalmente pelo ambiente.


Desse modo, a roçada de vegetação nos períodos de verão altera o microclima da base da vegetação diminuindo a sobrevivência dos carrapatos.


Além disso, vegetação alta é propícia para atração de outros pequenos mamíferos que ajudam a disseminar carrapatos.



b. Controle químico

Deve-se ter muito cuidado na pulverização da vegetação com acaricidas ou carrapaticidas, pois podem contaminar recursos hídricos, além de impactar a fauna dos invertebrados e polinizadores que habitam os locais de tratamento.


Essa solução deve ser utilizada somente em momentos de descontrole populacional, orientada por especialista e sempre efetuando uma rotação de princípios ativos, a fim de evitar resistência.


Experimentos conduzidos pela Esalq/USP mostraram que piretroides (lambdacyalothrin e bifenthrin) eliminaram mais de 95% de ninfas após 3 horas de aplicação, mantendo residual de mais de 20 dias. O produto a base de fenilpirazol também apresentou bons resultados.


Ainda no mesmo experimento comprovou-se que a utilização dos referidos produtos químicos deixou baixos níveis residuais no solo e em corpos d’água, porém com efeito tóxico em abelhas.


É importante saber que as fases anteriores à fase adulta, larvas e ninfas, são mais suscetíveis aos produtos químicos.



c. Controle biológico


Nos mesmos estudos conduzidos pela Esalq/USP foram efetuados experimentos de controle biológico com o fungo Metarhizium anisopliae que mostrou ação mais lenta, combatendo 70% das ninfas após 7 dias. Essa alternativa, que não representa risco para a natureza, deve ser realizada em dias úmidos e com temperatura amena.



d. Pulverização de carrapaticidas em animais


A pulverização de animais ajuda a diminuir a população de carrapatos e deve ser utilizada de maneira complementar aos demais métodos. Deve-se lembrar que 95% dos indivíduos encontram-se no ambiente na vegetação rasteira.


No caso de equinos deve-se pulverizar carrapaticidas a cada 10 dias com 4 litros de calda para cada animal, até a diminuição da infestação.



e. Repelentes em seres humanos


Um método para evitar a contração de carrapatos em seres humanos é a utilização de produtos químicos repelentes aplicados na pele, como produtos a base de deet (N,N-dietil-meta-toluamida), que agem por duas horas contra larvas e ninfas.


Pode-se utilizar permethrin em aplicações sobre roupas repelindo indivíduos de todas as fases do carrapato.



Conclusão


Para diminuir a infestação de carrapatos deve-se conjugar diversos métodos, juntamente com um programa educacional-informativo.


O método contraceptivo é o de maior eficácia, juntamente com as pulverizações químicas e controle mecânicos.


Ações de esterilização de capivaras foram realizadas pelas prefeituras de Campinas e de Belo Horizonte, além da Universidade Federal de Viçosa e da Escola Superior de Agricultura Luiz de “Queiroz”, instituições que podem fornecer informações mais aprofundadas.



As seguintes publicações trazem informações mais detalhadas


Grande abraço

Luiz Cláudio

780 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo